Desempregados estão há 15 meses atrás de trabalho, aponta SPC Brasil

carteira-de-trabalho-03102019174705039

Publicado em: 12, março/2020

O brasileiro que ficou sem trabalho nos últimos anos está, em média, há 15 meses procurando emprego. E, para retornar ao mercado de trabalho, 51% dos desempregados topariam receber menos que o salário do último emprego. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (12) pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Dos 604 entrevistados na pesquisa:

  • 19% afirmam que precisam voltar ao mercado de trabalho por isso aceitariam ganhar menos;
  • 18% acreditam que o que importa neste momento é arranjar um emprego para pagar as despesas; e
  • 13% afirmam ser mais fácil procurar oportunidades melhores quando se está empregado.

Nove em cada 10 desempregados pertencem às classes C, D e E – A pesquisa mostra que o desemprego vem afetando, em grande medida, as camadas mais vulneráveis da população:

  • Nove em cada dez brasileiros sem ocupação pertencem às classes C, D e E (95%), enquanto apenas 5% estão nas Classe A e B;
  • seis em cada dez desempregados são mulheres (61%);
  • 39% são homens;
  • A média de idade é de 33 anos, sendo que a maior parte corresponde aos jovens de 18 a 24 anos (34%);
  • 24% estão na faixa etária de 25 a 34 anos;
  • 59% têm entre o ensino médio completo e ensino superior incompleto;
  • 31% têm o 2º grau incompleto;
  • 10% o ensino superior completo;
  • Apenas 8% falam outro idioma;
  • 55% são solteiros;
  • 26% são casados; e
  • 52% possui filhos.

Profissionais buscam serviço temporário para se sustentar – A demora para se recolocar no mercado de trabalho tem feito com que essas pessoas busquem outras formas de sustento, como o trabalho informal. De acordo com a pesquisa, praticamente quatro em cada dez desempregados têm recorrido ao trabalho temporário para se sustentar (39%).

As atividades preferidas são:

  • Serviços gerais (19%);
  • Revenda de produtos (14%); e
  • Venda de comidas (13%).

Além dos trabalhos informais, 30% admitem que ao menos parte de suas despesas estão sendo pagas por pais, filhos, amigos ou outros familiares.

Também há aqueles que utilizado o seguro-desemprego (8%) e do acerto recebido da empresa em que trabalhavam (7%).

“O desemprego muitas vezes obriga as pessoas a buscarem alternativas para constituir renda. O aumento da informalidade também está relacionado à chamada ‘gig economy’, ou ‘economia dos bicos’ – aquela que diz respeito aos motoristas e entregadores de aplicativos, por exemplo”, alerta o presidente da CNDL, José César da Costa.

Costa afirma que as plataformas digitais facilitam a contratação de pessoas e oferecem oportunidade de geração de renda para milhões de desempregados. Por outro lado, esses trabalhadores não têm direitos assegurados e ou vínculo empregatício.

52% dos desempregados não têm participado nem de entrevistas – O emprego com carteira assinada é o preferido por aqueles que procuram trabalho (51%), seguido daqueles que aceitariam qualquer oportunidade, independente do formato (28%) e dos que buscam trabalho como autônomos, por conta própria (8%).

A procura pelo novo posto de trabalho exige esforço considerável, pois os entrevistados dedicam, em média, três horas por dia à tarefa. Nesse caso, vale acrescentar que 60% não sabem precisar o tempo diário empregado na busca.

A pesquisa também revela que:

  • 48% dos entrevistados foram chamados para entrevistas de emprego;
  • 43% desse total foram chamados para poucas entrevistas (43%); e
  • 5% para um volume grande de entrevistas.
  • Por outro lado, outros 52% não têm sido chamados para entrevistas.

Considerando apenas aqueles que têm sido chamados para entrevistas, 43% já recusaram alguma proposta de emprego, principalmente por ser muito longe de casa (12%) e oferecer remuneração ou benefícios ruins (9%).

78% não investem em capacitação profissional – A pesquisa indica que a maioria dos desempregados brasileiros não investe, atualmente, no aprimoramento pessoal como meio de ampliar as chances de contratação: 78% não estão fazendo nenhum tipo de curso de capacitação profissional para conseguir oportunidades de trabalho melhores. Em contrapartida, 18% estão fazendo, sendo 12% cursos gratuitos e 6% cursos pagos.

15% dos desempregados têm reserva financeira – A maioria (91%) dos desempregados que morava com outras pessoas contribuía financeiramente para as despesas da casa enquanto trabalhava, o que é um indicativo do impacto que o desemprego exerce sobre as famílias.

Nesse caso, 29% não eram os principais responsáveis e agora não contribuem mais, enquanto 24% não eram os principais responsáveis e continuam contribuindo de alguma forma e 16% eram e ainda são os principais responsáveis no aspecto financeiro. Somente 15% dos desempregados possuem reserva financeira para se manter até conseguirem um emprego, ao passo em que 76% não possuem.

Dentre os que ainda têm alguma quantia guardada:

  • 59% possuem dinheiro na poupança ou outro investimento;
  • 33% mencionam o FGTS; e
  • 21% outras fontes.

Com o dinheiro, 18% conseguiriam pagar todas as despesas e contas essenciais pelos próximos três meses, outros 18% pelos próximos seis meses, 11% apenas até o próximo mês e outros 11% durante um ano.

75% esperam conseguir emprego em até seis meses – Embora estejam há um tempo considerável sem emprego, 75% das pessoas ouvidas esperam conseguir uma recolocação em até seis meses.

Além disso, 72% acreditam que estão preparados para conseguir um novo emprego, especialmente por ter uma boa experiência profissional (43%). Tendo em vista o contexto do desemprego em 2020, 33% acreditam que o percentual da população desocupada diminuirá, enquanto 33% acreditam que permanecerá estável e 19% julgam que vai aumentar.

Com R7 Economia

|