Assessor nacional da Pastoral da Aids da CNBB visita a Unifacc Sedac

1

Publicado em: 29, julho/2022

Professores e colaboradores técnicos dos Cursos de Filosofia e Teologia, da Unifacc Sedac, no Cristo Rei, em Várzea Grande, participaram, na manhã desta sexta-feira, 29 de julho, de uma roda de conversa sobre a Pastoral da Aids, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). 

A discussão, organizada pelo coordenador dos cursos e da Unifacc Sedac, professor-doutor padre Carlos Sérgio Viana, e pelo professor-mestre padre Reinaldo Braga Júnior, secretário executivo do Regional Oeste 2 da CNBB em Mato Grosso, foi conduzida pelo padre Antônio Peroni Filho, da Arquidiocese de Vitória (ES), assessor eclesiástico nacional da Pastoral da Aids da CNBB.

De acordo com o padre Reinaldo Braga, a visita à Unifacc foi uma forma de aproveitar a vinda do padre Antônio Peroni que participará da Assembleia da Pastoral da Aids do Regional da CNBB, durante o fim de semana, em Cuiabá.

“Essa pastoral social tem atuação na ação evangelizadora da Igreja no Estado, então viemos conversar”, destacou o secretário executivo da CNBB em Mato Grosso, acrescentado que o padre Antônio Peroni também terá uma conversa, na segunda-feira, primeiro de agosto, com os acadêmicos de Filosofia e Teologia.

“Esse encontro foi de muita relevância e de grande significado, justamente porque a Pastoral da Aids é um movimento de evangelização a serviço da vida e de vida com dignidade”, assegurou padre Carlos Viana.

HIV/AIDS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que desde o início da epidemia, em 1980, até os dias atuais, mais de 38 milhões de pessoas morreram de AIDS em todo o mundo, dessas mais de 680 mil somente no ano de 2020. E continuam a morrer.

Uma análise do UNAIDS revelou que os lockdowns e outras restrições impostas pela Covid-19 interromperam os novos testes de HIV e, em muitos países, levaram a quedas acentuadas nos diagnósticos e encaminhamentos para o tratamento do HIV, dificultando o diagnóstico precoce e consequentemente início do tratamento. 

Sem contar os impactos potenciais que a pandemia de Covid-19 poderá ter sobre o fornecimento de medicamentos antirretrovirais para tratar o HIV. Segundo o Boletim Epidemiológico (Brasil, 2021), desde o início da epidemia de Aids no Brasil (1980) até 31 de dezembro de 2020, foram notificados 360.323 óbitos tendo o HIV/Aids como causa básica.

Contato

Informações sobre a Assembleia e formação da Pastoral da Aids, no fim de semana, falar no Regional Oeste 2 da CNBB pelo telefone (65) 3028 5920.

 

|